Uma das principais regras de dança indica que é necessário manter o eixo do corpo. Cada dança encontra diferentes soluções para isso e com os exercícios de equilíbrio se consegue distribuir corretamente o peso em todas as situações.

E m primeiro lugar, o objetivo é aprender a distribuir o peso do corpo sobre um pé enquanto avançamos e retrocedemos com o outro. para isto começaremos praticando o passo para frente. Sem olhar para os pés e com o peito erguido, avançamos o pé direito com a ponta esticada, apoiamos e, lentamente, abaixamos a perna, enquanto o pé esquerdo continua suportando todo o peso do corpo completamente reto, quer dizer, com a ponta voltada para a direção do nosso avanço. Continuando com o peso sobre o pé esquerdo, voltamos a abaixar até que a ponta toque o chão e o devolvemos ao pé esquerdo. Repetimos o exercício movendo o pé esquerdo e descansando sobre o direito. No início, tenderemos a nos apoiar mais nos lados do pé e, portanto, a torcê-lo.

Quando o movimento for feito sem deixar de apoiar todo o peso no pé reto, complicaremos ligeiramente o exercício para aprender a distribuir o peso durante os giros e os deslocamentos laterais: no lugar de avançar em linha reta, movemos a perna para um lado, deixamos de esticar o pé, quer dizer, deixamos que a ponta se aproxime de nós, formando um ângulo reto com a perna, voltamos a colocá-lo em ponta e apoiamos no chão. A operação de volta será ao contrário: levantar o pé que está esticado, deixar de esticá-lo e aproximá-lo do pé que ficou parado. A dificuldade deste exercício, e o objetivo, está em fazer descansar todo o peso do corpo no pé imóvel e não levar o peso de um lado para o outro, mesmo se estivermos nos deslocando. Assim, garantimos que durante a dança teremos sempre um eixo definido e fixo. No próximo passo, a posição inicial terá a perna levantada para frente: com os pés esticados flexionamos o joelho, aproximando o pé para fora. Adiantamos os joelhos, esticamos a perna e pousamos no chão. Neste momento teremos a perna esticada para um lado, então vamos levá-la tocando o chão, à posição inicial.

Durante este exercício, nosso centro de gravidade terá se deslocado e aprenderemos a nos amparar sobre um pé: o importante é que o pé que suporta todo o peso se apoie em toda a planta, e que evitemos torcê-lo de um lado ou outro. Para não perder o equlíbrio , devemos alinhar corretamente os blocos de peso superiores. Todos estes exercícios também podem nos servir de aquecimento para as sessões de aprendizagem. Devem ser feitos sem se olhar para os pés e com o peito e as costas perfeitamente retas. Para começar será melhor uma música lenta.

A pélvis e o peito

C om os pés e as pernas juntas, os ombros abaixados e com os braços juntos ao corpo como se estivessem pendurados livremente, giraremos a pélvis em ambos os sentidos, procurando fazer com que o raio do giro seja o mais amplo possível. O movimento tem de ser exclusivamente de pélvis. Não devemos procurar ajuda das pernas, do peito ou da cabeça que tem que manter a mesma direção dos pés. Para posicionar o peito corretamente, o corpo deve ficar como ni exercício anterior. Deve-se virar o peito para os dois lados.

O deslocamento para frente

C omeçamos com os pés juntos. Flexionamos os joelhos e avançamos um pé, tocando ligeiramente o chão. O pé que está fixo deixa de segurar o peso no centro para ampará-lo mais perto da ponta. Enquanto avançamos a perna – fazendo com que o movimento parta dos quadris -, levantamos os dedos do pé em movimento e colocamos o calcanhar em contato com o chão. O peso do corpo deve começar a passar de um pé para o outro: o que ficou atrás começa a levantar o calcanhar. O passo rápido alcançou toda a sua extensão e o peso do corpo está repartido identicamente entre os dois pés – o calcanhar do pé de trás levantando e o que está na frente apoiado. A partir deste momento, o pé dianteiro pára e o traseiro começa o seu movimento.

Enquanto o peso passa para o pé de frente, os joelhos devem se flexionar no mesmo grau e ao mesmo tempo, até chegar à posição inicial e repetir a sequência, avançando com o pé contrário. É conveniente repetir o exercício até fazê-lo naturalmente ao ritmo de qualquer música, tanto para frente como para trás.

O pescoço

Em pé, com as costas retas, giramos lentamente a cabeça até que o queixo alcance o ombro direito – que não deve se mover para se aproximar do queixo. Abaixamos o queixo tentando tocar o ombro e levantamos a cabeça. repetimos o mesmo movimento para frente para chegar à base do pescoço e repetimos com o ombro esquerdo. Poderá haver uma tendência a esticar ligeiramente a perna contrária ao movimento que estamos realizando e devemos evitá-la para conseguir que os movimentos do pescoço sejam independentes. É de suma importância realizar estes movimentos lentamente.