Para o iniciante, a hora da verdade chega ao enfrentar a pista de dança. Quando realizamos passos, seguimos determinadas diretrizes. Na pista de dança, devemos conhecer algumas regras e truques, que nos permitirão integrar plenamente a dinâmica geral e aprender a dançar.

A primeira coisa que constatamos quando vamos a um baile é que existem algumas danças que seguem uma linha de deslocamento bem definida: os casais movem-se na mesma velocidade e em círculo anti-horário. São as denominadas danças progressivas, como a valsa, o foxtrot, o tango ou a polca. Evidentemente, isso é uma indicação genérica, visto que não devemos realizar todos os movimentos, seguindo estritamente esta linha. As diferentes figuras nos levarão ao movimento em ziguezague, cruzando ou, inclusive, movendo em sentido contrário em relação aos demais dançarinos – mesmo que isso dure alguns segundos A velocidade do par deve estar bem sincronizada com as dos demais dançarinos, de forma que em nenhum caso as coreografias coloquem o par em uma situação perigosa.

Em algumas ocasiões, você deve iniciar a dança quando a música já estiver tocando, e os casais em movimento. A responsabilidade de evitar o choque é de quem entra e, antes de ficar em posição de dança – movimento que deve ser realizado rapidamente e com segurança-, olhe em direção oposta à linha da dança, para evitar o bloqueio de algum casal ou acabar chocando-se com outros pares. Para evitar colisões, prepare-se para mudar de direção a qualquer momento, e evite as áreas congestionadas: isto implica prever o movimento geral e adaptar seus movimentos às zonas livres o que, no começo, pode ser complicado, mas com a prática você vai ver que este ato ocorrerá espontaneamente.

Para compreender tanto os nossos parceiros como os manuais de dança, existe um sistema obrigatório de referências. Em toda sala existem quatro paredes, e uma delas será o ponto de referência. É a parede que se encontra à direita quando se avança em direção de linha de dança. Além de uma só parede, o salão de baile tem dois centros: o centro real e o centro relativo, que está alinhado diretamente em oposição à parede principal. Independente da sua localização – por exemplo, de frente para a linha de dança, a parede está à direita, e o centro, à esquerda. Os alinhamentos, estão sempre ligados a este centro relativo quando as danças são descritas ou ao falar com o par.

É fundamental aprender o desenvolvimento nas danças progressivas. A linha da dança segue um princípio similar ao das pistas de patinação. O dançarinos mais experiente é capaz de mover-se rapidamente, situando-se na área mais externa, enquanto o debutante situa-se na área interna, onde o deslocamento é mais lento.

Se o olhar das pessoas ainda lhe causa insegurança, evite a área externa (mais rápida) e a interna ( mais lenta). O melhor lugar está em um ponto intermediário, onde você pode arriscar alguns passos para entrar na área mais difícil e retirar-se para a mais cômoda, no caso de não adaptar-se.

Por outro lado, as danças que não são progressivas como o swing, costumam ser dançadas mais próximas ao centro da pista e, neste caso, os casais indecisos perceberão que a área menos agressivas é a parte externa da pista.

Obstáculos imprevistos

Nem todos os salões de dança são perfeitos e, mais cedo ou mais tarde, todo dançarino enfrentará a incômoda posição que é estar próximo a uma parede, uma coluna ou mesmo bater as costas em uma delas. Se o salão estiver lotado, será difícil escapar desta situação sem esbarrar em alguém. Como os patinadores que , ao dobrar as extremidades sobre seu corpo, aumentam a velocidade do giro, você també4m pode realizar um giro rápido para mudar a direção, juntando os pés e aproximando os braços do corpo. O fundamental neste movimento é impedir que uma das pernas fique balançando.

A interpretação da dança

Depois que a dança deixou de ser um ato individual para ser dançada em pares, falta ainda transformá-la em uma questão social. Você deve prestar atenção à expressão, ao sorriso e, principalmente, interpretar a dança com olhares e gestos. Os iniciantes tendem a olhar para o chão , enquanto os dançarinos mais experientes têm consciência da amplitude do salão e sabem cativar o público como dançarinos talentosos. Enquanto debutantes, este objetivo está distante, mas você deve procurar oferecer aos demais uma interpretação pessoal da dança.

Danças distintas ao ritmo

Em algumas ocasiões á possível dançar mais de um tipo de ritmo com a mesma música. Por exemplo, alguns tipos de foxtrot podem ser dançados como swing: neste caso os que preferem swing – dança que não desenvolve em linha reta como as demais – deverão colocar-se no centro da pista, e os que preferem o foxtrot, na parte externa.