Avirada do século XIX foi acompanhada por uma acentuada mudança social, evidente nas danças. O ragtime, de ragged time< "tempo desgarrado" , era uma música bastante popular nos Estados Unidos ( da qual surgiria o jazz). Uma música contraditória, livre, e principalmente, de ritmo trepidante. Um dos ingredientes do jazz foi o foxtrot, dança oriunda dos minstrels, paródia nas quais os atores pintavam a cara com rolha queimada e imitavam a louca dança dos negros. Harry Fox foi um desses dançarinos que em 1914, apresentou em Nova Iorque, uma dança ao som de ragtime que recebeu o nome de foxtrot. Um ano depois, a dança já era executada na Europa. Lá, o casal de dançarinos, Irene e Vernon Castle, havia desenvolvido um estilo parecido, porém menos agitado. A maior preocupação deles era em relação a perda da postura dos dançarinos durante as façanhas acrobáticas realizadas nos novos ritmos do início do século. Por exemplo, o charleston era dançado à uma velocidade que variava de 200 a 240 tempos por minuto, o que causou um grande alvoroço nas pistas de dança. Na Inglaterra, os clubes fixavam cartazes de advertência com a sigla PC2, "Please, Charleston Quietly" (Por favor, dance o charleston devagar). Essas confusões eram acompanhadas por algumas mudanças sociais, que refletiam diretamente na dança; contrariando certos padrões, 50% dos casais a praticavam. As mulheres começavam exigir igualdade de direitos: atividades praticadas por homens como escalar montanhas, jogar tênis e até fumar em público, eram adotadas pelo público feminino. Em 1914, pouco antes da chegada do foxtrot à Europa, os Castle publicaram o livro Modern Dancing, no qual analisavam as diversas danças populares da época: ragtime, tango, one step e maxixe. Vários capítulos foram dedicados à descrição da forma de se vestir e do comportamento social daquela época. Porém, os Castle faziam questão de contribuir para o desenvolvimento das novas danças e, em 1913, apresentaram em Paris, a Castle Walk, uma combinação de seus passos com os de Harry Fox, que se transformou no foxtrot. Os Castle foram os principais difusores dessa nova forma de dançar, os passos ainda precisavam ser definidos. A preferência dos Castle pelos passos elegantes, fez muitos dançarinos adotarem uma versão um pouco mais lenta do foxtrot, que ficou conhecida como slow fox, enquanto a versão mais rápida recebeu o nome de quickstep (passo rápido com pequenos saltos). Não era apenas uma questão de ritmo: durante o processo de evolução, o quickstep ainda manteve os passos e os giros que tinha em comum com slow fox e absorveu outras danças mais agitadas como o charleston, o balsa bottom e o shimmy.